top of page

EDIFÍCIO MISERICÓRDIA

novo retrofit Somauma

A Somauma vai transformar o último grande edifício erguido no Centro Histórico. O antigo prédio comercial vai se tornar um residencial com 51 apartamentos, com estúdios, apartamentos de um dormitório e unidades espaçosas na cobertura. 

ESTÚDIOS

ESTÚDIOS COM TERRAÇO

APARTAMENTOS
1 DORMITÓRIO

APARTAMENTOS
COBERTURA

A PARTIR DE R$ 7,5 MIL O M2*

minha-casa-minha-vida-logo.png

Região com infraestrutura e grande potencial de desenvolvimento
além de ser uma das mais ricas em história e arquitetura da cidade

 * Valores dentro do programa HMP/Minha Casa Minha Vida, destinado ao atendimento habitacional de famílias cuja renda mensal varie entre 6 e 10 salários mínimos, com até dois sanitários e até uma vaga de garagem, podendo ser de promoção pública ou privada.

HISTÓRIA DO EDIFÍCIO MISERICÓRDIA

O Edifício Misericórdia, cujo nome atual é Edifcío Tácito de Toledo Lara, foi construído em 1977 e é considerado um dos últimos grandes edifícios do Centro Histórico. Até o início da década de 1970 existia ali o Palacete Carvalho, um imóvel de arquitetura eclética com cinco pavimentos construído em 1913 Em 1969 foi apresentado o projeto final do edifício que substituiria o Palacete Carvalho: uma construção com 16 pavimentos, lojas no térreo e uma casa de zelador no topo. A assinatura é do Escritório Técnico Ramos de Azevedo, Severo & Villares.  Em 1972 o Palacete foi demolido. A construção do Misericórdia iniciou em 1974, mas sofreu alguns revezes. Três anos mais tarde, quando foi solicitado o auto de conclusão final, uma surpresa: em vez dos 16 andares, o prédio tinha apenas 10 (térreo + 9 andares).

MISERICORDIA.png

O LARGO DA MISERICÓRDIA

LGO.png

O Largo da Misericórdia tem esse nome graças à Igreja da Misericórdia, construída no século 16 e ampliada no século 18. Em frente à igreja ficava o Chafariz da Misericórdia, o primeiro sistema de abastecimento gratuito de água de São Paulo. O equipamento foi projetado por Tebas, um escravizado alforriado que se tornou o primeiro arquiteto negro do Brasil.  Com o tempo, o chafariz foi se tornando um importante ponto de encontro da cidade, notadamente das pessoas escravizadas, incumbidas de buscar água para seus senhores.  Em 1866, por conta das sucessivas reclamações dos moradores quanto à "algazarra"no local, o chafariz foi transferido para o Largo de Santa Cecília, provavelmente para servir como fonte de água para cavalos. No decorrer da Primeira Guerra Mundial foi desmontado e, posteriormente, esquecido.  No século 19 a igreja da Misericórdia veio abaixo para dar espaço a um quiosque que, décadas mais tarde, também viraria escombro. Hoje no local se ergue o edifício Ouro Para o Bem de São Paulo que, por acaso, está há décadas subutilizado.

TEBAS

TEBASS.png

Escravizado até os 58 anos de idade, Joaquim Pinto de Oliveira, o Tebas, executou obras emblemáticas do Brasil Colonial e se consolidou como um dos maiores arquitetos brasileiros do século 18.  Apesar da importância de seu legado, só foi reconhecido como arquiteto em 2018, quando foi inserido no quadro associativo do Sindicato dos Arquitetos do Estado de São Paulo.

DESCUBRA O

CENTRO A PÉ

Localizado no Largo da Misericordia, 20, bem no coração do Centro Histórico, o Edifício Misericórdia está próximo de tudo. Tem duas estações de metrô na porta, além de inúmeras opções de lazer e cultura, como CCBB, Casa de Francisca, Edifício Martinelli, Páteo do Collegio, Praça da Sé, Anhangabaú e muito mais. 

andando.png

Metrô São Bento
5 minutos

andando.png

Metrô Sé
7 minutos

bottom of page